fbpx

Psicogerontologia

Existem diversas formas de viver e de envelhecer. As pessoas são diferentes e cada uma terá seu envelhecimento de acordo com a vida vivida. É possível utilizar as perdas dessa época para ampliar nossa consciência, para crescermos”.

Uma pergunta relevante para os dias de hoje é: Como queremos envelhecer? Alguns envelhecerão vivos, outros, esperando a morte chegar”.

Celi Helena Passos

O tema “envelhecimento” vem sendo muito discutido ultimamente, já que o homem está vivendo por mais tempo e a população de idosos logo será maior que a de jovens.

Entretanto, ainda é lamentável que em nossa cultura, além de não haver um conhecimento claro sobre a atribuição e finalidade da segunda metade da vida, há uma ideia pré-concebida de que a velhice se caracteriza somente pela decadência física e ausência de papeis sociais.

Sendo justamente nessa etapa da vida, quando os ganhos materiais e sociais já foram conquistados, que o indivíduo pode apresentar maior criatividade e possibilidade de crescimento em seu mundo interno.

Estudos da Psicogerontologia

A Psicogerontologia investiga e compreende o fenômeno do envelhecimento neurofisiológico, psíquico e social.
Considerando ser esta, uma fase vital, rica de novas necessidades, possibilidades e consequências. 

Temas como a história de vida, relações familiares e sociais, mudanças corporais, memória, transtornos psíquicos ou cognitivos, encerramento de carreira profissional e sexualidade são temas relevantes para a reflexão e o autoconhecimento nesse estágio. 

Pois, uma interpretação negativa em relação ao próprio envelhecimento poderá prejudicar seu autoconceito e sua autoestima, o que afetará sua vida física e psíquica. 

 

Metanoia e suas implicações

É um processo que surge na segunda metade da vida e demanda reestruturação dos papeis sociais. Será nesse momento, que para muitos de nós, o modo de pensar a vida, de ver o mundo, e até mesmo, de se ver, desorganiza-se e faz parecer que não encaixamos mais em nossa realidade.

A Psicogerontologia x Crew Care

Celi Helena Passos

Em nossa sociedade, o exercício da profissão se apresenta como uma atividade central, constituindo e orientando a identidade do indivíduo. 

No caso do tripulante, o trabalho profissional também guia a rotina de vida deste, pois suas ocupações e relações sociais terminam por se adequar e depender dos horários restantes, pós-trabalho. 

Muitas vezes, vivendo intensamente e quase em tempo integral em sua função profissional, ele não se preocupa em desenvolver outras atividades e relações sociais ao longo da vida. 

Quando chega à metade da vida, algo nele poderá reclamar uma mudança de valores, uma maior conscientização de si mesmo e de seu lugar no mundo. 

Tudo que ele “tem” já não lhe basta, não lhe compõe totalmente mais. Agora, ele precisa “ser”, ser além da sua história pessoal, além do seu ego e além de seus papeis sociais. 

Porém, devido a falta de autoconhecimento e desenvolvimento em outras áreas de sua vida, só o que está consciente é seu papel profissional/social. E assim, o conflito está gerado. 

Desprender-se desse papel, assumir seu lado obscuro e também seu lado criativo, descobrir-se em novos formatos, serão imprescindíveis durante sua vida.

A Psicogerontologia é um conhecimento que agrega valor ao meu trabalho clínico, pois apresenta o estudo de uma fase específica do desenvolvimento humano. 

Porém, não atua sozinha, mas sim em conjunto com o preparo individual, os estudos e a experiência clínica que possuo. 

É essa totalidade que me permite compreender e trabalhar com o outro, em sua fragilidade, em sua estranheza, em seu desconhecimento de si mesmo. Ao se considerar o homem somente como uma máquina ou parte do avião, sua percepção de si e do mundo pode ser abalada, correndo o risco de se perder e tornar sua vida vazia de história, de desejos, de sonhos, e por fim, de sentido. Nesse contexto, algumas doenças emergem; podem ser doenças orgânicas ou distúrbios psicológicos. 

Nesse processo, a compreensão e aceitação de si mesmo possibilitarão ao indivíduo uma configuração mais profunda e integrada, dispondo de sua própria capacidade interna de contenção e orientação em seu caminho.

Minha contribuição com o Crew Care visa um trabalho de consultoria direcionado ao tripulante, para desenvolver o autoconhecimento e a reconfiguração de si mesmo. 

Estas habilidades podem ser emocionantes e empolgantes, pois são capazes de integrar o bem estar físico, mental, emocional e espiritual. 

Submeter-se a um processo de consultoria em desenvolvimento humano, no intuito de se conhecer, se validar e se permitir mudar. Reavaliar antigos posicionamentos, reconhecer as conquistas e os fracassos. 

Assumir a responsabilidade por si mesmo e restaurar o sentido e objetivo de vida serão de fundamental importância para um equilíbrio emocional e físico.

Lembre-se que sua vida não se resume em pilotar um avião, mas sim, em pilotar sua própia vida!

Fechar Menu